Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




O dez perfeito

por Torradaemeiadeleite, em 30.07.12

Jogos Olímpicos de 1976, Montreal. Uma nova era começava na ginástica artística. Nadia Comaneci, romena, tornou inolvidáveis os Jogos que pareciam comprometidos à partida pelo boicote das nações africanas. Num tempo em que nem as máquinas de pontuação estavam preparadas para o dez perfeito, a jovem atleta de catorze anos conseguiu a proeza sete vezes.

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Citius Altius Fortius

por Torradaemeiadeleite, em 28.07.12
A história de Inglaterra numa perspectiva de contributo para o mundo actual serviu os propósitos de Danny Boyle para um espectáculo de abertura memorável. Da agricultura à revolução industrial, dos serviços de saúde à arte, das novas tecnologias às redes sociais, foram diversos os temas que se interligaram para chegar ao momento da chama olímpica em pétalas reunida. Da diversidade se fez uma só essência, brilhante, esperançosa, conciliadora.
Assim é a natureza dos Jogos Olímpicos, onde credos, cores e crenças não fazem descriminações. Assim é ou assim deveria ser? Sabemos bem que ao longo da era moderna dos Jogos se conheceram actos de contestação racial, religiosa, cultural e política. Mas como poderá um acontecimento mundial ficar à margem dos contextos sociais e políticos das nações que nele vêem também uma oportunidade de se fazer ouvir? Excluo sem hesitar os actos de terrorismo a que os Jogos não foram imunes, essa não é aliás uma forma de reivindicar seja o que for, mas refiro-me a actos simbólicos, refiro-me às vitórias que fazem erguer  nações subjugadas, ao protesto pela ausência de participação de países ou de atletas, à mensagem conciliadora que um abraço entre competidores de diferentes nações pode veicular, aos discursos inflamados ou aos silêncios retumbantes.
Não são os Jogos Olímpicos o paradigma da auto superação, da vontade de derrubar limites, de ir mais longe, ser mais forte e mais alto? Numa escala maior, não são estes Jogos o símbolo da união entre nações, dum tempo de paz? A sua história transporta pois a essência da humanidade, no seu melhor e no seu pior e não pode por isso ser um território neutro ou alheio ao que o rodeia. No desporto ao mais nobre nível cabe, muito para além da nossa biologia, o nosso percurso cultural e social.
Que comecem os Jogos! 

 

 Imagem googlada.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Livros itinerantes II

por Torradaemeiadeleite, em 26.07.12

O espírito de itinerância dos livros tem vindo a renascer no nosso país, um espírito que já tem corpo desde 1996 ( Guimarães, Mirandela e Arcos de Valdevez ) sendo actualmente setenta e uma  as  unidades móveis registadas no Directório das Bibliotecas Itinerantes. São, na sua maioria, um serviço veiculado pelas bibliotecas fixas municipais, variando a sua distribuição nos vários distritos.

Entreter, formar e informar continuam a ser as suas prioridades mas hoje em dia conhecem novas valências: são um pólo agregador da comunidade que as recebe porque cria um tempo de comunhão pelo lazer, são muitas vezes o veículo dinamizador de actividades extraordinárias em centros de dia, lares de idosos, escolas e  facilitam ainda o acesso a novas tecnologias ( muitas estão equipadas com computador e ligação à internet ).

A personalidade do bibliotecário ambulante é claramente indissociável desta natureza múltipla, a meu ver cada vez mais necessária. Não é só no acesso aos livros que a sua figura é determinante, o lado humanizador e social que poderá veicular é o ingrediente secreto numa receita para a fidelização, assiduidade e motivação dos seus utentes.

A atenção ao leitor, diferenciada e personalizada, é uma das vantagens que a biblioteca sobre rodas apresenta em relação aos grandes espaços fixos de acesso a livros. Pelo conhecimento do meio onde circula, dos interesses, das actividades e inclusive dos laços familiares daqueles com quem se cruza, pode suprir com maior eficácia as necessidades culturais dos cidadãos. É a partir desta directiva que crescem depois as restantes facetas que vão para além do incentivo à leitura e que ajudam a aproximar gerações e a quebrar a mudez dos dias de quantos se sentem sós.

As bibliotecas devem continuar a adaptar-se às alterações dos padrões sociais e familiares que mudaram o rosto das aldeias e pequenas vilas portuguesas. O isolamento, e não me refiro ao  geográfico, é cada vez maior e os livros itinerantes continuam a ser uma ferramenta de inclusão.


Fotografia: Nuno Marçal - Biblioteca Itinerante de Proença-a-Nova.


Autoria e outros dados (tags, etc)

Ouvi Dizer

por Torradaemeiadeleite, em 23.07.12
Ornatos Violeta

Álbum "O Monstro Precisa de Amigos", 1999.




Autoria e outros dados (tags, etc)

Livros itinerantes

por Torradaemeiadeleite, em 20.07.12

 

Quando a leitura e a educação cultural pela leitura não eram desígnios estatais e esclarecer os cidadãos era perigoso para os governantes, a Fundação Calouste Gulbenkian desenvolveu um projecto, ainda hoje exemplar, para universalizar o acesso ao livro e promover a leitura. Se ainda hoje há diferenças marcantes entre Litoral e Interior, Continente e Ilhas, há mais de cinquenta anos essas linhas pareciam impressionantes abismos.

Em 1958 estreava-se o Serviço de Bibliotecas Itinerantes da Fundação Calouste Gulbenkian cuja imagem de marca eram as carrinhas Citroën HY. Nas suas prateleiras acomodavam-se inicialmente livros de literatura geral para crianças, adolescentes e adultos, livros de assuntos técnicos e livros de História. As escolhas bibliográficas não eram fortuitas, eram pensadas para abranger vários tipos de público e respectivas diferenças de idade.

O livro era um bem material inacessível a grande parte da população portuguesa, a taxa de analfabetismo na década de cinquenta do século passado ultrapassava os 40% e os acessos entre localidades eram diminutos. As carrinhas Citroën ofereciam literalmente a oportunidade de ler àqueles leitores deslocados dos centros urbanos, com poucas horas de lazer e sem meios económicos para comprar livros. Aos que não sabiam ler era dada a oportunidade de ouvir leituras partilhadas. O empréstimo gratuito do acervo bibliográfico das bibliotecas itinerantes depressa se notabilizou e deixou inclusive muitas saudades quando em 1987 ( ano em que o Programa Nacional de Leitura Pública deu os primeiros passos ) o número de unidades em circulação decaiu abruptamente, extinguindo-se o serviço definitivamente em 2002.

Em cerca de trinta anos muitos foram aqueles que iniciaram as suas caminhadas literárias influenciados pelos livros itinerantes da Fundação Calouste Gulbenkian. Quantos prazeres, quantas escolhas profissionais, quantos horizontes e quantas dúvidas ( sim, porque a dúvida e a pergunta impelem o nosso conhecimento ) terão ganhado asas em cada dia que a biblioteca rolante estacionou no largo da aldeia, na praça da vila, na rua da cidade.

A universalidade nasce também assim, de gestos luminosos em tempos de escuridão.

 

 

 A fotografia que apresento foi "apanhada" em pesquisa no Google e desconheço o seu autor. Um pequeno tesouro.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Aperitivo

por Torradaemeiadeleite, em 17.07.12
Para antecipar um tema que quero mimar no Torrada.

 

Fotografia googlada. 1958.


Autoria e outros dados (tags, etc)

De Aquilino

por Torradaemeiadeleite, em 11.07.12

 

 

História de "Joli" cão francês que boa caçada fez 
Aquilino Ribeiro, ilustr de Luís Filipe de Abreu.
Edit Bertrand, 2ª ed - 1976

 

 

Uma página de literatura infantil encontrada aqui e ajudada pelas armas modernas de tratamento de imagem. 

Só um grande mestre escreve assim para a infância, sem substimar a inteligência do pequeno leitor, divertindo-o com comparações inusitadas ( "com umas ventas feias de cabo da esquadra", "velha com pêlos na cara que pareciam anzóis",... ) e apresentando-lhe danças de palavras como esta na conversa entre o cão Joli e o galo:

 

"-Bau-bau-bau! Au-au!!

-Apanhaste com um calhau?... já não é a primeira vez que tal me sucede.

-Bau-bau-bau!

-Se tenho berimbau... Não; requinta.

Não se entendiam. O galo podia lá compreender a língua daquele feio bicho?! E em sinal de largueza, sarcástico e heróico ao mesmo tempo, jogou ao cão pató e ao galo inimigo, noitibó, um vibrantíssimo cocoricó."

 

Um texto surpreendente.

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Gosto disto, pois gosto

por Torradaemeiadeleite, em 07.07.12
Já chega de versões urbanas-chic e hiper-jovens das telecomunicações. Cá está o conceito de "aldeia global" como há muito faltava encarar.

All together now.



Autoria e outros dados (tags, etc)

Related Posts with Thumbnails




subscrever feeds




Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Torradas com bolor

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D