Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Ceci n'est pas la fin du monde

por Torradaemeiadeleite, em 13.01.15

 

 

Angelus Novus de Paul Klee

 "Angelus Novus" de Paul Klee.

 

 

Benjamin Walter, sobre este quadro:
"Há um quadro de Klee que se chama Angelus Novus. Representa um anjo que parece querer afastar-se de algo que ele encara fixamente. Seus olhos estão escancarados, sua boca dilatada, suas asas abertas. (...) Ele gostaria de deter-se para acordar os mortos e juntar os fragmentos. Mas uma tempestade sopra do paraíso e prende-se em suas asas com tanta força que ele não pode mais fechá-las. Essa tempestade o impele irresistivelmente para o futuro, ao qual ele vira as costas, enquanto o amontoado de ruínas cresce até o céu. (...)"

in "Teses Sobre o Conceito de História"





A clareira servirá. O espaço é apelativo e permeável.
Das árvores que a delimitam nem a cinza das raízes sobrará. Ao menos dois esqueletos enegrecidos, os mais obdurados, de pé, mesmo que lugubremente memoriais, seriam o sinal da possibilidade de algum futuro, só que nem memória restará.
Não conheceremos o que os originou, mas haverá movimentos dissonantes num segundo e, no segundo seguinte, a luz será diferente - é forçoso que seja, depois de uma tragédia nascer. É breve a linha para a alteridade.

Para já, prepara-se a mente. As formas pequenas, outras aos pares, umas solitárias, algumas patas pela trela, jogam bola, sentam-se, correm. Todas presentes e pulsáteis até à distância. Outras nem parecem pertencer à gravidade. É Inverno e por isto a clareira poderia perder propriedades, todavia, é Inverno e por isto ela ganha protagonismo. Uma tarde destas, limpa, num lugar sem caos sensorial, apura o que nela existe e aproxima-nos das essências. Eis as matérias perecíveis, sensíveis, fulgurantes enquanto morrem, e o espaço em volta que se sublevará. O acaso é o único corpo presente desde sempre e é aquele que continuará depois de tudo e de todos.
Por ser um pequeno texto impressionista, as matérias estão aqui como pontilhados de cor que perfuram ou interrompem o corpo antigo e lhe dão expressão. O movimento de umas e o dele revela-se plural na reflexão da luz que inflama e alucina a percepção. A atenção irradia dos contornos esbatidos, nenhuma sombra é negra, nenhum bem encontra aqui o seu mal.
Como se descreve o instante em que tudo deixa de ser?
Não sabemos, mas primeiro, ouve-se um silvo agudo que vem de toda a parte, e arrasta e empurra e corta e ensurdece. A surdez dói e leva as mãos à cabeça. Depois, o Sol passa a ocupar o céu inteiro, não tem caminho para seguir e agride e ferve e esfola e cega. O brilho súpito não deixa perceber, num vislumbre ao menos, os limites da terra e do ar, nem a importância do olhar que avisa e prepara. A cegueira paralisou, chorou, uiva toda a incompreensão da sorte e todas as formas são obrigadas a abandonar a expressão do corpo maior. A ordem cai de joelhos e põe em garra as mãos no chão. Uma força  varre o ar e dissolve em si todas as colisões e todos os abraços. O ar queima. Mais nada.
Quem sobreviver ao instante em que tudo deixa de ser, que discorra das impressões que possam ficar ainda.

Só duas certezas se perfilam no segundo em que o pensamento ainda o é: que a clareira deixará de servir e que um Sol caído por terra não faz mais que soluçar de morte.






 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Related Posts with Thumbnails








Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Torradas com bolor

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D