Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Cem imagens

por Torradaemeiadeleite, em 28.09.15

 

 

Uma fotografia com o telemóvel tornaria esta proposta mais leve na execução e pronta a ser digerida. Não facilito - o caminho que percorro será, em si mesmo, a imagem mais interessante, mais do que o ponto de chegada. Talvez que, a melhor forma para descrever agora seja recriando as sensações. Recriar, retenham este verbo.
Caminharei com os músculos, os ossos e o sangue das palavras - e arrisco só uma aproximação, uma torpe aproximação, àquele lugar e àquele sentir. E anote-se mais isto: o
s cinco sentidos habituais servem um outro, este consciente que reconhece e reinterpreta o que os outros lhe apontaram.
Na minha mente, a minha pele e aquelas ondas foram a mesma e uma só coisa; trago ainda a crista delas, atirada para trás pelo vento de leste, na sinestesia dos meus pêlos eriçados e do meu cabelo projectando-se para o horizonte, comprido sem nunca acabar, e continua o meu tacto a fazer aquela curva de esfera azul até aonde nunca pisei nem pus as minhas mãos.
Na minha mente, as cores daquela água são as da biologia que resiste à improbabilidade, à impossibilidade até. Nunca a água terá um só tom de cor e nunca os meus olhos repetirão tal e qual o que esteve e o que foi deposto à minha volta nessa hora. Há mais visões nos mundos do que textos escritos para serem lidos. E há visões que não requerem o primado dos olhos para o serem.
Na minha mente, a areia que amanheceu então, num alisado odor de oceano revirado pela corrida dos cães e pelo peso que cada pessoa, desde cedo, transportava sobre os ombros, é também
uma réplica do que, fora deste mundo, permanece como grãos do instante primordial ( se pode ser definido assim, "instante" ) a partir do qual tudo se precipitou e chegou a este em que escrevo, o pulsar de teclas a comporem sons inaudíveis. E foi inaudível esse começo da consciência - tudo está ligado entre si.
Aquela manhã, posso descrevê-la assim, e só por agora assim, foi fotografia feita a múltiplas camadas de tempos e de lugares.
Em todos os dias seguintes, poderei vir aqui acrescentar, e sobre aquele
amanhecer vulcanizar mais uma textura, mais uma cor, um sabor, uma essência, outro lugar, um milénio, uma frase.
Hoje, o caminho. Piso-o leda e sem defender qualquer propósito útil. E poderá o útil alguma vez adjectivar o belo? O belo, coisa casmurra que ainda é capaz de insinuar-se por entre os escombros destas horas que servimos e nos são servidas. O belo, sentido talvez nesta imagem irreplicável que as minhas palavras propõe à meditação
. O belo, sempre múltiplo como múltiplo é cada leitor. E primordial. E unificador. E urgente.


 

 

 P.S.:      https://youtu.be/9dz4UYZIQps







Autoria e outros dados (tags, etc)

Related Posts with Thumbnails








Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Torradas com bolor

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D