Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Os dias que passam XVIII

por Torradaemeiadeleite, em 06.06.14
Pintura de Georges de la Tour.

 

Iguais, conformes, rotineiros. Dias, porém, que são corpos de possibilidades e que contém o perigo e a ebulição de qualquer novo mundo, guardados e usados para inesperadamente se impor. Passam horas, passam eras, passa algo que por conveniência medimos e o nutritivo caldo que exuberará passa, por enquanto, despercebido, pois erradamente desvalorizamos a normalidade, despercebemos as origens discretas do que nos fascina e insistimos em subtraír importância ao acaso.

Que só o extraordinário pode deslumbrar - cedemos afirmar inadvertidamente. E, contudo, relembro-me que o extraordinário não oferece apenas beleza. Abraça ainda o ambíguo e o grotesco, o perverso e o violento, as sensações que, como o belo, nos deixam presos, atraídos ou ofuscados, e que todavia não classificamos como deslumbrantes. Acredito que todas estas variações se aquietam nas circunvoluções do que é normal ou digo, pois, do que é ordinário, sem extra.

Eu aprimorava esta forma de cegueira que é atribuir aos dias iguais nada mais que a minha indiferença. Para ver esse mundo tão inteiro e novo que a rotina vela é importante divisar o que posso ser. E ficarei magnetizada, incrédula, agravadamente roubada ao conforto da normalidade, e perceberei que há muito mais arbitrariedade do que previsibilidade nas formas da vida. Nenhuma lei ou dogma me poderá resumir. As singularidades da vontade são copiosas e desconcertantes. E eis que a redentora beleza e a escura iniquidade habitam juntas o mesmo corpo, separadas só por cortinas de livre-arbítrio já puídas e na iminência de rasgar.

Nas manhãs dos dias banais penso o extraordinário que fermenta e cresce sem ser apercebido e antes sedenta de atalhos, ouso agora o vislumbre de mais mundo e mais possibilidade.

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Related Posts with Thumbnails


2 comentários

Sem imagem de perfil

De F a 07.06.2014 às 10:17

Poderá uma sexagenária sentir  os dias que passam, aqui tão bem ditos,  como uma jovem Torrada?


Beijinho.
Imagem de perfil

De Torradaemeiadeleite a 09.06.2014 às 23:33

Que importa a idade, querida F., se é o espírito que em tudo pomos o que mais nos define...

Beijos, sempre frescos.

Comentar post








Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Torradas com bolor

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D