Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Azul

por Torradaemeiadeleite, em 01.11.17

 

 

 

Torradaemeiadeleite

 

 

 

Fotografia de Torradaemeiadeleite.

 

 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Lugares para ler e lugares para serem lidos

por Torradaemeiadeleite, em 05.08.17

 

 

 

Torradaemeiadeleite



Fotografia de Torradaemeiadeleite.

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Into the blue

por Torradaemeiadeleite, em 27.02.17

 

Eu subiria até o ar me faltar e o azul saturado ceder sob a mudez do espaço negro.
Aí eu me quedaria, no colo imenso da inconsciência, para que o segredo da morte soprasse em meu ouvido a sedução do que é inexplicável.


torradaemeiadeleite

 

 Fotografia de Torradaemeiadeleite. Fevereiro de 2017.

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

O Torrada gosta de iluminar os detalhes

por Torradaemeiadeleite, em 03.11.16

 

 

 

Torradaemeiadeleite

 

 

Fotografia de Torradaemeiadeleite.

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Torrada fora de portas

por Torradaemeiadeleite, em 01.04.16

 

 

 

 

Torradaemeiadeleite

 

 

Fotografia de Torradaemeiadeleite.






 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Entre o branco e o negro

por Torradaemeiadeleite, em 01.03.16

 

 

 

 

Torrada

 

 

 

Fotografia de Torradaemeiadeleite.

 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Um outro azul

por Torradaemeiadeleite, em 16.09.15

 

 

"With the twilight breaking through
It's a different kind of blue"

 

 

( retirado de "A Different Kind of Blue" de U2/Brian Eno, álbum Passengers de 1995 )

 

 

 

Torradaemeiadeleite

 

 

 

Fotografia de Torradaemeiadeleite. Castro Laboreiro, 2008.









 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Lugares para ler e lugares para serem lidos XI

por Torradaemeiadeleite, em 26.02.15

 

 

 

Lugares

Fotografia de Torradaemeiadeleite.

 

 

 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

A pergunta em volta

por Torradaemeiadeleite, em 30.12.14

 

 

Planalto

Fotografia de Torradaemeiadeleite.

 

 

Os intervenientes são essencialmente os mesmos e a linguagem que partilham veicula afinal as mesmas impressões, todavia os campos da sintaxe denunciam a era desta reflexão, esta escrita e a sua forma moderna não pertencem a todos os tempos, só a aspiração do registo - cotejar com o tempo universal e ser veículo de interpretação e perpetuação.
É possível encarar o Sol da origem e o recorte repetido da paisagem que sustém as raízes deste dia, as cores e as linhas erodidas que desenham o velho horizonte, o solo a estalar, como as plantas geladas, debaixo dos pés, que não são todavia as únicas figuras cristalizadas nas sombras perenes do arco baixo de luz; é possível, com todo o corpo, elencar o que se manteve imutável na paisagem até hoje e arriscar o que será diferente.
Sem o calor do sangue, porém, toda esta terra não seria mais do que as suas esculpidas formas milenares, as suas reiteradas gerações de carbono, muitas mais vezes certas do que erradas e dos erros ainda aproveitando as promessas dos melhores e dos mais aptos. Mas nem mesmo isto seria se não houvesse consciência e dúvida razoável para interpretar e exprimir, isto e o tempo, que cinzela todas as matérias, a da consciência inclusive.
Com afluentes de vária ordem que o caminhar livremente pode proporcionar, forma-se a constatação de que é breve o período terreno para perceber e presenciar tanto que se revela ante nós e de como, apesar da explosão da consciência e da técnica, não nos situamos ainda além do que é meramente superfícial.
Reflui o caudal deste rio que é o pensamento para se aproximar da origem da paisagem e para que alguém repita que nas horas especulares desta que é imprimida, os homens da pedra e do fogo, os homens do bronze, os homens do ferro que aqui moraram, detiveram o seu afã e renderam os seus sentidos e a sua razão ao que era à sua volta - uma imensa pergunta de terra e de gelo, sombra e céu, ossos e coração.
As vistas navegando ao largo foram, e são, tão essenciais à vida como a urgência instintiva da sobrevivência, e procurando respostas, e no correr imparável de novas perguntas, os homens alteraram o relevo do solo que estala e as plantas ciclicamente geladas aproximando os seus mortos dos candelabros celestes. Não é debaixo da terra que a luz nos invade e eleva. A luz, sempre a luz, que interromperá a incomensurável noite.
Aos mortos o posto mais alto, aos mortos a autorização para se individualizar da matéria e da multidão, aos mortos a entrega de muitas dúvidas na esperança de que eles nos devolvam respostas que não alcançamos vivendo.
Contra os factos académicos pode argumentar-se que, afinal, entre o perene e o efémero e entre o sensível e o racional, não haverá maior distância do que aquela que une as letras de um mesmo alfabeto que revisitamos e exploramos sempre que nos detemos perante a imensa pergunta à nossa volta.


 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Planalto com poente

por Torradaemeiadeleite, em 26.12.14

 


 Planalto

Fotografia de Torradaemeiadeleite.


 

A quietude chega envolta em farrapos de neblina que os ventos da raia arrastam, agiganta-se nos brilhos silentes do poente e, eterna, renova-se.
O planalto, nesta quietude, sabe da água a correr nos veios e sabe da terra marcada em contra-luz pelos ritmos dos últimos vigilantes.
O planalto traz o tecto do mundo para os dedos das mãos. O tecto do mundo é frio e grave.
Tudo respira ainda entre as pausas dos ponteiros do relógio - nada se excede e nada fica aquém daquilo que deveria ser.





 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Gerador de amor a Castro Laboreiro

por Torradaemeiadeleite, em 08.09.14

 

Fotografia de Torradaemeiadeleite. 

  

 

Em Castro Laboreiro temos cafés geograficamente centrais mas nenhum patronimicamente "Central". Nas mesas dos nossos cafés geramos conversas, batotices e estados futebolísticos, geramos mitos e chistes, mas também geramos crenças em futuros despovoados. Futuros como os nossos caminhos, as nossas eiras, os nossos montes e os nossos estendais. Despovoados.
É também nas mesas dos cafés que Castro Laboreiro tenta reinventar-se, principalmente com o turismo, com os "de lá de baixo" e com os galegos, com todos aqueles que tantas vezes gostariam de encontrar aqui, para além da natureza arrebatadora, aquilo que muitos de cá preferiram esquecer e perder - a cultura portuguesa nem sempre foi o guardador das  diferenças que agora urge abraçar, reabilitar e assumir como nossas. Essa "cultura" e muitos dos seus intervenientes foram preconceituosos durante demasiado tempo e nós mesmos, os castrejos, atarefados na adaptação e na assimilação do que é de outros, fomos diluindo cada vez mais a nossa identidade nesse seguro e conforme mar da igualdade cultural. Aprende-se cedo que, na maioria das vezes, ser diferente dos outros não é fácil nem confortável.

Hoje em dia, esta terra raiana é em si mesma um coração que recebe temporariamente, em cíclicas e ritmadas pulsações, muitos que precisam de oxigénio e de descanso e bombeia para as distâncias do Mundo o seu próprio sangue, forte e novo. É assim que, além-mar e além-terra, há castrejos geradores de rendimentos e de sonhos, geradores de saudades e geradores de descendência que volta uma vez por ano às mesas dos cafés onde muitos avós não chegaram a conviver porque estes cafés não são antigos.
Saio do café para um outro gerador de centralidade, aqui neste meu lugar, quando o central se refere àquilo que não é marginal. Sento-me à mesa que a vista me oferece a partir de um dos pontos abertos e desimpedidos. Não é, portanto, marginal todo o território fragoso e monumental que susteve, protegeu mas também alienou um modo de vida e uma forma de ser. Como não foi marginal a vontade de partir para onde o trabalho dava proveito. Partidas que melhoraram as nossas condições de vida e mudaram irrevogavelmente o modo de aqui existirmos. Foram-se os homens e foram-se depois as mulheres, e foi quando as mulheres partiram levando os seus filhos que o futuro castrejo passou a ser, ele sim, marginal.

E quase tudo isto se percebe mirando bem a paisagem e sentindo a inclemência dos climas de maior altitude. Depois, percorrê-la  a pé para lhe tomar de perto mais cores e idiossincrasias. Só que é com este mesmo exercício, e à luz do que se viu e se aprendeu noutras paragens, que ainda ouso ter esperança na reinvenção sustentável deste território e na preservação da nossa fala e das nossas memórias.
E assim, à mesa deste "Central" com vista desconcertante, leio a  promissora revista Gerador em Castro Laboreiro. Gerador de amor à cultura portuguesa, diz o número um. Faz sentido, mesmo tratando-se do amor.

Castro Laboreiro é cultura portuguesa e precisa mais do que nunca de acreditar na sua permanência, no seu futuro, mesmo quando os dias são de tormenta - não, sobretudo quando os dias são de tormenta.

Este tempo português é o de sair: saem as pessoas, sai a confiança no país, sai o ânimo para o exílio. Mas há os que ficam e os que chegam pela primeira vez. E há os que voltam. Que haja sempre os que, de algum modo, voltam. Todos geradores de vontade de mudar e de, na mudança, gostarmos de ser portugueses.
À espera do próximo número Gerador e entre amores e reflexões.

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

De cem em cem

por Torradaemeiadeleite, em 13.08.14

 

 

 

Quase, quase a celebrar o centenário do primeiro Concurso Monográfico do Cão de Castro Laboreiro, o tempo leva-me ainda para outros registos com marca igualmente ancestral:

 

Onde os lobos uivam, 1911.

 

 

 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Apontamentos

por Torradaemeiadeleite, em 06.08.14

 

 

"É pau, é pedra, é o fim do caminho
É um resto de toco, é um pouco sozinho
É um caco de vidro, é a vida, é o sol
É a noite, é a morte, é o laço, é o anzol"

 

(...)

 

de Tom Jobim - "Águas de Março".

 

Fotografia de Torradaemeiadeleite.

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Breve história das pedras

por Torradaemeiadeleite, em 26.04.14

 

 

 

Fotografia de Torradaemeiadeleite - Castro Laboreiro.

 

 

Prontos mundos, germinado verbo.

O granito em estado selvagem e o granito domado.

Grande o génio, maior o tempo, infinita a poeira que em tudo é.

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Related Posts with Thumbnails







Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Torradas com bolor

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D