Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




A Ilha

por Torradaemeiadeleite, em 11.11.13
Fotografia de Torradaemeiadeleite.


Diz-se dos ilhéus, que podem sair da ilha mas a ilha não sai deles e que todo o mundo é para eles ilha e mais ilhéus. Assumo-me pois ilhéu, não escrevo ilhoa, a palavra não me agrada, deforma a gente em apetrecho de barco e perde a poesia que associo ao habitante de ilha e à ilha muito pequena. Mas para além do conceito filosófico em que cada um de nós é uma ilha, prendo-me mesmo ao conceito físico de porção de terra cercada por água que nos altera o sentir do mundo para daqui pular para as ilhas rodeadas de terra em que  a minha me aparece.

Terra alta à volta, sem horizonte marítimo, monte cercado de monte cercado de picos cercados de monte e novamente picosas montanhas a cercar o que cerca. Nem ondas ou praia, raio verde ou mar de luar. Tem céu, todo o céu que o exagero criou, tem sombras que varrem o chão e dizem as horas, tem nevoeiro de burel que nos tapa e obriga os olhos a ver para o único horizonte, o nosso, por dentro. 

Uma ilha porque isolada de outros viveres, separada por terra-mundo, lonjura e cansaço, foi ficando para trás, mostrou muitos caminhos para sair e nenhum prémio para quem nela ficasse. Ilha sem mapa e sem dicionário para os curiosos da ancestralidade e do estranho viver que é bom conservar para de fora levemente se apreciar, levemente  e sem pesar, sem o peso da culpa, que bem vivem estes seres longe do ruído e da poluição, tão felizes com tão pouco, sim, sim, que humana virgindade, tão genuínos, nada mais podem desejar.

Uma ilha porque conhece a exiguidade, não a de terra, chão para andar, mas a de gente, que morre tudo e ninguém nasce, exígua de saúde e de conhecimento, trabalho bom que faça voltar, exígua de planura, só caminhos inclinados para andar que fazem pender a cabeça, torcer as costas, cambar as pernas, estreitos de urzes e giestas que ninguém corta porque neles já não conta passar.

Reconheço-me ilhéu que carrega a sua ilha às costas para onde quer que vá. Penso e contemplo tendo-a por referência: quando chove chove-me ela também, quando há Sol vejo-o nela também, quando faço imagino-me a fazer lá, quando viajo procuro-lhe as semelhanças, quando sofro busco o seu colo e o seu exemplo, dos que amargaram e venceram e amargaram e sucumbiram. No meu teatro de vida, parte do cenário é sempre a minha ilha, rodeada de terra, relumbrando de ouro ao entardecer ou coberta de neve ao amanhecer, imagens da sua luz que voltam sempre, têm de voltar, depois das imagens escuras, breu de morte e breu de destino que haverá sempre no seu sentir.

Li que "o pior das ilhas é quando se põe a imitar o mar que as rodeia. Cercadas, cercam." É tão verdade que o sinto mesmo sem mar. Cercava-me ainda que não o quisesse mas quero, e haverá o cerco de durar até que lá volte para ficar.

Se a trago comigo não há-de desaparecer. "Não há maior ilhéu do que aquele que imigra", outra leitura que me ficou. Sinto-o e se o sinto é verdadeiro e assim sou, tão ilhéu como os da insularidade.



Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.





subscrever feeds




Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Torradas com bolor

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D