Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




É já amanhã!

por Torradaemeiadeleite, em 30.05.12

Feira do Livro do Porto, 82ª edição.

Na Avenida dos Aliados, de 31 de Maio a 17 de Junho.

Ver todos os detalhes aqui.

 

 

 

 

Tira a Teima

por Torradaemeiadeleite, em 28.05.12

O Teu Rosto Será o Último

por Torradaemeiadeleite, em 24.05.12

No universo deste livro cabe um "a continuar..." ou uma sequela, se se tratasse de um filme. Ficaram a pairar à roda dele os capítulos que não teve.

Duarte, o fulcro que alavanca as mini-narrativas dentro da narrativa maior anseia, tal como o leitor, por mais respostas.

Mas um autor que nos deixa a tecer a continuação da história e a procurar pormenores à la detective para que nada escape, tem mérito. Muito mérito, tratando-se duma estreia e de alguém que não vem da área das letras. E isto confirma-me que não precisamos passaporte para explorar o território literário.

Portanto, vou ignorar o capítulo do médico que gostava de Bach por não compreender a sua existência ( a não ser que haja um "a continuar..." ) e esquecerei a troca da amputação da  perna esquerda para a direita  na pintora (pág. 154 vs pág. 201) e no retrato (pág. 157 vs pág. 165).
Impressionaram-me o primeiro capítulo, o capítulo do "Holocausto", o da volta a Portugal em bicicleta ( também em que o avô morre ) e aquele inteiramente dedicado à mãe de Duarte.

A forma da escrita varia consoante o contexto ( familiar, militar, interrogatório criminal ) e às vezes consoante as características pessoais da personagem destacada no capítulo ( a mãe e o seu lado prático e objectivo, o pai e o stress pós-traumático, as cartas de Policarpo ). Também esta variedade tem mérito.

A curiosidade espreita o próximo livro de João Ricardo Pedro.


 

"O Teu Rosto Será o Último" é editado por Leya - 1ª edição Março 2012.

Anarquia linguística

por Torradaemeiadeleite, em 24.05.12

"(...) Os meus filhos já notam na sua geração que a estenografia comunicativa dos seus aparelhos começou a permear a própria comunicação: "as pessoas falam como nos sms".

Isto devia preocupar-nos. Quando as palavras perdem a sua integridade, assim sucede com as ideias que expressam. Se privilegiamos a expressão pessoal à convenção formal, então estamos a privatizar tanto a linguagem como fizemos com tudo o resto. "Quando eu uso uma palavra", disse o Humpty Dumpty, em tom bastante desdenhoso, "ela significa aquilo que eu escolho que signifique - nem mais nem menos. "A questão é", disse a Alice, "se consegues fazer as palavras significarem tantas coisas diferentes". Alice tinha razão: o resultado é a anarquia.

(...) A prosa de má qualidade revela insegurança intelectual: falamos e escrevemos mal porque não nos sentimos confiantes do que pensamos e estamos relutantes em afirmá-lo de forma inequívoca (...). Em vez de sofrermos logo à partida de "novilíngua", arriscamo-nos à ascensão da "não-língua". (...)"

 

 

Tony Judt, O Chalet da Memória - edições 70. Outubro 2011.

 

 

Domingo com Taça

por Torradaemeiadeleite, em 21.05.12

 

Cartoon de Henrique Monteiro.

FLIP 2011. Com a impressão digital de Valter Hugo Mãe.



Kashmir

por Torradaemeiadeleite, em 14.05.12

"My Shangri-la beneath the summer moon
I will return again
Sure as the dust that floats high in June
When moving through Kashmir"

 

 

 


Memento mei

por Torradaemeiadeleite, em 10.05.12

Continuo às voltas com o que li. Não posso deixar de partilhar alguns excertos e talvez o faça assim aos pouquinhos como a saborear algo que não queremos que acabe.

Ainda sobre o desenho de Dürer:

 

"(...) Um esqueleto, minha querida, é a figuração mais ridícula da morte, foi talvez por isso que o pus aqui dentro . Para tratar a morte por tu, um esqueleto é tão engraçado. Mete medo às crianças. Tão cómico naquela geringonça articulada da ossaria. Mete medo ao infantilismo de nós naquela engenharia de mecano, a morte está antes ou para lá disso tudo (...). Olho-o (...) para aprender a desautorizar a morte, a gente valoriza-a tanto. Mas a importância dela está antes do esqueleto (...) está na vida (...) onde a vida é ainda visível (...). O macabro no seu ridículo é a negação da morte. (...) Nós pensamos que a vida acaba na morte, não é verdade, Mónica, acaba sempre mais cedo.(...)

Do desenho, o que mais me impressiona é talvez o chocalho do cavalo (...). O chocalho tem o badalo parado, está ali para aviso, mas ninguém o ouve."

 

"Em Nome da Terra", Vergílio Ferreira - pág. 222 e 223, cap. XX - 9ª ed, Bertrand.


Em Nome da Terra

por Torradaemeiadeleite, em 09.05.12

                                                                      Desenho de Albrecht Dürer

 

"_Jura-me que nunca hás-de envelhecer - disse-te.

_Juro.

_E que nunca hás-de morrer.

_Sim.

_E que a beleza estará sempre contigo. E a glória. E a paz.

_Juro

Então baixei-me ao rio e trouxe água nas mãos em concha. E derramei-ta na cabeça imensamente. E disse, e disse

_Eu te baptizo em nome da Terra, dos astros e da perfeição."

 

Pensar a plenitude e a degradação do corpo, perceber o abismo entre este e a consciência, analisar sentimentos e laços familiares, reflectir  sobre o divino e  o comum,  interpretar e transpor a morte. São diversas as dimensões do ser humano que Vergílio Ferreira explora ao escrever "Em Nome da Terra".

Quando João, personagem principal e narrador, a morar num lar de idosos, escolhe a sua memória por companhia dos longos dias, idealiza uma carta à sua mulher entretanto falecida e nela faz fluir a sua vida.

Na memória que preserva ( e constrói também ) de Mónica, projecta ideais, referências, vivências, objectos e pessoas que fizeram parte da sua relação e tudo isto dá o mote para a reflexão sobre a natureza humana em geral. João revela-nos também a sua própria degradação física, a importância do seu corpo na interpretação do real e do imaginado.

Profundo e sem eufemismos, este livro aborda o concreto e o filosófico sem que  nenhuma destas naturezas se anule, desgaste ou canse porque são imensos e belos os recursos literários de Vergílio Ferreira.

 

 

Sobre o livro "Em Nome da Terra" de Vergílio Ferreira -  9ª edição, Bertrand.

 

Porto Book Stock Fair

por Torradaemeiadeleite, em 07.05.12

 

Até 26 de Maio, no Palácio de Cristal ( Pavilhão Rosa Mota ), decorre a Porto Book Stock Fair. Títulos já indisponíveis no mercado livreiro com preços convidativos e edições mais recentes à mistura fazem a força dos argumentos para ir até lá - das 10h às 20h todos os dias.

Lucie

por Torradaemeiadeleite, em 05.05.12

 

 

Lucie de Souza Cardoso, 1890-1987

 

Do arquivo fotográfico da Biblioteca de Arte - Fundação Calouste Gulbenkian.

 

Não me perguntem pelos caminhos que se percorrem na "world wide web", é que mesmo perdidos podemos encontrar assuntos interessantes. Quando no FLICKR THE COMMONS investigava Portugal sabia que me poderia cansar na caminhada. Mas eis a surpresa: depois de tantas fotografias de património material encontro Lucie de Souza-Cardoso com a sua longevidade ( 1890 - 1987 ) e sento-me na beira do caminho. Quis saber se o apelido era o do nosso pintor Amadeo de Souza-Cardoso e a rede devolveu-me a confirmação, Amadeo casou com uma jovem francesa de nome Lucie Meynardi Picetto em 1914.

Esta fotografia ( com data incerta entre 1914 e 1918 ) apanhou-me pela intimidade que escapa vaporosamente da atitude de Lucie. Entregue, descontraída, sensual. É, ao mesmo tempo, a dona do momento e a adivinhada vítima do artista atrás da câmara fotográfica.

Um mimo intemporal.

 

 

 

No mar que nos uniu

por Torradaemeiadeleite, em 01.05.12




subscrever feeds




Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Torradas com bolor

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D