Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




E o tempo que espere

por Torradaemeiadeleite, em 29.01.15

 Fotograma do filme "Inception" ( Cristopher Nolan, 2010 ).

 

Se eu pudesse, dizia ao tempo para me esperar à porta de carvalho carcomido que chispa pelas frinchas tortas os últimos veios de luz, aquela mesmo ao cimo das escaleiras. Que se abrigasse como pudesse para não apanhar frio, porque a entrada da casa é muito combatida de vento e de chuva. Ficasse ali parado, quase a bater os dentes espaçados e gastos, agarrado ao capote como à vontade de fugir dali porque paciência para esperar é qualidade que o tempo não tem.
Eu entraria de novo, mansamente consciente de inaudita proeza, venceria a soleira da porta para penetrar na luz mortiça da lâmpada, uma só no imenso tecto negro. A lâmpada amarela como os sorrisos descuidados e como os esgares dos que passavam a espreitar os modos da casa, congratulando-se com a miséria que entretida ali não os  atrapalhava.
A luz sedenta de brilho, mas a definhar por anos acanhados de vontade e de querer. Mortiça a morrer uma morte suspensa. Quem dera que viesse logo pronta essa imagem da inevitabilidade, que sem mais agonia viesse terminar o puído viver - e não, não sou eu que o peço, eu entro e sento-me. Deixei a cerimónia lá fora, a fazer companhia ao tempo, talvez lhe ensine alguns modos.

Estão todos ocupados nas suas tarefas e não me olham. Cheira a lenha queimada e a pêlo de cão molhado - ah, não, deixa-o estar, ainda não é hora de recolher e o calor faz-lhe bem, também merece conforto e paz. Este cão andou tanto, defendeu muito, desde nascido cá por casa, bem merece amparo na sua velhice fria - quem diz que não é como nós, gente, se até no modo de suspender as urgências se nos assemelha?

Sobe o odor da gordura frita, estala e restala até todos nos habituarmos ao fartum, que já não incomoda como quando se entra do fresco do caminho.

E só agora fixo-me na janela, aberta para o fumo escapar, vendo esse corpo vaporoso sumir-se na sonoite. Não sabem como me encanta ainda o recorte dos vultos rotinando de canto em canto, sem questionar os porquês de fazer assim, e assim, e nunca de outro modo. Recortados, digo, na claridade tolhida que rompe pela chaminé improvisada, a despedir este dia que só agora deixou a confirmação de que afinal havia sol lá em cima, apesar das nuvens durante todo o santo dia, a chover sem descanso e sem descanso a modorrar estas almas. A janela com o horizonte de pedra para ser galgado, o imenso espaço que só na geometria da ventana é mínimo, porque infinito seria se houvesse desejo de o perscrutar e transpor. Mas, aqui, toda a vontade cessou já. Nem eu ainda cumpro essa viagem, falta-me a coragem. Vim só para perscrutar-lhe o princípio, lembrar-me do primeiro centímetro. Demoro-me e repito-me, apanho o ar da janela e das frinchas da porta de carvalho carcomido. O tempo e a cerimónia lá fora. 

Esperamos.

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.





subscrever feeds




Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Torradas com bolor

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D