Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Gerador de amor a Castro Laboreiro

por Torradaemeiadeleite, em 08.09.14

 

Fotografia de Torradaemeiadeleite. 

  

 

Em Castro Laboreiro temos cafés geograficamente centrais mas nenhum patronimicamente "Central". Nas mesas dos nossos cafés geramos conversas, batotices e estados futebolísticos, geramos mitos e chistes, mas também geramos crenças em futuros despovoados. Futuros como os nossos caminhos, as nossas eiras, os nossos montes e os nossos estendais. Despovoados.
É também nas mesas dos cafés que Castro Laboreiro tenta reinventar-se, principalmente com o turismo, com os "de lá de baixo" e com os galegos, com todos aqueles que tantas vezes gostariam de encontrar aqui, para além da natureza arrebatadora, aquilo que muitos de cá preferiram esquecer e perder - a cultura portuguesa nem sempre foi o guardador das  diferenças que agora urge abraçar, reabilitar e assumir como nossas. Essa "cultura" e muitos dos seus intervenientes foram preconceituosos durante demasiado tempo e nós mesmos, os castrejos, atarefados na adaptação e na assimilação do que é de outros, fomos diluindo cada vez mais a nossa identidade nesse seguro e conforme mar da igualdade cultural. Aprende-se cedo que, na maioria das vezes, ser diferente dos outros não é fácil nem confortável.

Hoje em dia, esta terra raiana é em si mesma um coração que recebe temporariamente, em cíclicas e ritmadas pulsações, muitos que precisam de oxigénio e de descanso e bombeia para as distâncias do Mundo o seu próprio sangue, forte e novo. É assim que, além-mar e além-terra, há castrejos geradores de rendimentos e de sonhos, geradores de saudades e geradores de descendência que volta uma vez por ano às mesas dos cafés onde muitos avós não chegaram a conviver porque estes cafés não são antigos.
Saio do café para um outro gerador de centralidade, aqui neste meu lugar, quando o central se refere àquilo que não é marginal. Sento-me à mesa que a vista me oferece a partir de um dos pontos abertos e desimpedidos. Não é, portanto, marginal todo o território fragoso e monumental que susteve, protegeu mas também alienou um modo de vida e uma forma de ser. Como não foi marginal a vontade de partir para onde o trabalho dava proveito. Partidas que melhoraram as nossas condições de vida e mudaram irrevogavelmente o modo de aqui existirmos. Foram-se os homens e foram-se depois as mulheres, e foi quando as mulheres partiram levando os seus filhos que o futuro castrejo passou a ser, ele sim, marginal.

E quase tudo isto se percebe mirando bem a paisagem e sentindo a inclemência dos climas de maior altitude. Depois, percorrê-la  a pé para lhe tomar de perto mais cores e idiossincrasias. Só que é com este mesmo exercício, e à luz do que se viu e se aprendeu noutras paragens, que ainda ouso ter esperança na reinvenção sustentável deste território e na preservação da nossa fala e das nossas memórias.
E assim, à mesa deste "Central" com vista desconcertante, leio a  promissora revista Gerador em Castro Laboreiro. Gerador de amor à cultura portuguesa, diz o número um. Faz sentido, mesmo tratando-se do amor.

Castro Laboreiro é cultura portuguesa e precisa mais do que nunca de acreditar na sua permanência, no seu futuro, mesmo quando os dias são de tormenta - não, sobretudo quando os dias são de tormenta.

Este tempo português é o de sair: saem as pessoas, sai a confiança no país, sai o ânimo para o exílio. Mas há os que ficam e os que chegam pela primeira vez. E há os que voltam. Que haja sempre os que, de algum modo, voltam. Todos geradores de vontade de mudar e de, na mudança, gostarmos de ser portugueses.
À espera do próximo número Gerador e entre amores e reflexões.

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.





subscrever feeds




Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Torradas com bolor

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D