Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Ode marítima ( outra, que não aquela )

por Torradaemeiadeleite, em 09.07.15

 

 

Asako Narahashi

 


Fotografia de Asako Narahashi.




 

Como se numa chuva tivessem vindo e depois à boleia de encarneiradas espumas de mar, estavam depositadas na areia as ofertas fluorescentes: os baldes, as pás, as formas, os ancinhos, um estaleiro para castelos de grãos infinitesimais e infinitamente refeitos, erguidos para a brevidade do seu próprio ser e logo arruinados.
Depois vieram, subindo do azul-verde das águas, baloiçando os seus pequeninos corpos de luz, os reis e as rainhas do riso e do tempo. Tomaram conta dos coloridos engenhos e das ameias dos castelos, besuntaram-nos do sal e da frescura matinais. Em vaga arrastada vinham, mas com força recobrada voltavam ao colo das águas onde, sem suspeitas, se tinham gerado.
As cores fluorescentes das oferendas ficaram, como obedientes sentinelas da força da gravidade sempre ficam. Todavia, agitadas e transmutadas já, de pernas para o ar, de cabeça na areia, as asas direitas ou as velas desatadas ansiando o toque do vento, ei-las, as estátuas míticas que fixam na imobilidade essa grande angústia do quase - quase o gesto, quase o lançamento, quase a corrida, quase o pleno voo.
Foi assim que uns e outros, as espontâneas fluorescências e os corpos de luz em perpétuo retorno, povoaram subitamente a praia. Construíram e destruíram baluartes, abriram portas e janelas entre muitos outros mundos, deixaram visível o assombro do acaso primordial. Eram bem visíveis a sua boca aberta e os seus olhos brilhantes. O grande acaso estava orgulhoso de incredulidade.




Do Japão, a memória

por Torradaemeiadeleite, em 02.11.14
 

Um trabalho fotográfico feito antes do terramoto de 2011 no Japão ganha ironicamente um novo significado depois dos factos. A um tempo, reinterpretam a linha costeira do Japão e abraçam uma memória da água que passa a ser dual e conflituosa: a necessidade de resgatar o que se eleva acima da linha e apaziguar o que ficou submergido.
Um trabalho de Asako Narahashi.

 

Para ver mais aqui: http://lightbox.time.com/2014/10/08/eerie-photos-of-japans-coast/#1

 

 

asakonarahashi_08

 

Fotografia de Asako Narahashi - Kawaguchiko, 2003.

 

 

 

 

 

 

 







Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Torradas com bolor

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D