Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Ideias fracturantes

por Torradaemeiadeleite, em 04.07.18

 

 

Torradaemeiadeleite

 

 

Fotografia de Torradaemeiadeleite. Julho 2018.

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Acuti(lar)

por Torradaemeiadeleite, em 20.01.18

 

 

 

 

torradaemeiadeleite

 

 

 

 

 

Fotografia de Torradaemeiadeleite.

 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Rimar com feriado

por Torradaemeiadeleite, em 15.06.17

 

 

Torradaemeiadeleite

 

 

 

Fotografia de Torradaemeiadeleite.

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Do domínio da Astronomia

por Torradaemeiadeleite, em 29.04.17

 

 

 

 

Torradaemeiadeleite




Fotografia de Torradaemeiadeleite.

 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pitões das Júnias

por Torradaemeiadeleite, em 14.09.16

 

Biblioteca Aberta de Pitões cresce com o contributo de todos os que acreditam que os livros podem ajudar a aprofundar raízes: raízes de conhecimento, raízes de proximidade entre pessoas e das pessoas com a sua terra, raízes que se prolongam ainda no tempo, até ao futuro.
Na sua página, esta iniciativa revela-se, esclarece e convida.

O Torrada e Meia de Leite já vai a caminho, vai nesse gesto veloz de quem abre um livro.


P.S.: os CTT têm um preço amigo para as embalagens com livros, basta referir "Contém livros" no envelope de envio.

 

 

 

Torradaemeiadeleite

 

 

Fotografia de Torradaemeiadeleite.

 

 

 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Acto ou efeito de nutrir

por Torradaemeiadeleite, em 12.07.16

 

 

 

Torradaemeiadeleite

 

 

Fotografia de Torradaemeiadeleite.

 

 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

Pausa - sugestão de apresentação

por Torradaemeiadeleite, em 16.10.15

 

 

 

torradaemeiadeleite



Fotografia de Torradaemeiadeleite.






 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Ponto de Fuga

por Torradaemeiadeleite, em 01.09.15




 

 

Torradaemeiadeleite


Fotografia de Torradaemeiadeleite.





 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Livrarias Improváveis

por Torradaemeiadeleite, em 05.08.15




 

Óbidos



Fotografia de Torradaemeiadeleite - Óbidos.








 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Movimento de Translação da Terra

por Torradaemeiadeleite, em 03.08.15

 

 



Somadas, na pele dos livros, as translações que adiam a nossa efemeridade.




Torradaemeiadeleite


Fotografia de Torradaemeiadeleite.







 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

O Torrada gosta de iluminar os detalhes VI

por Torradaemeiadeleite, em 17.06.15

 

 

 

 

DSC_7419

 

 

 



Fotografia de Torradaemeiadeleite.




 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Leituras

por Torradaemeiadeleite, em 15.06.15

 



Caminhei sob um opressivo, frio e angustiante manto de cinza e chuva, por uma estrada americana em direcção ao Sul, escondida dos maus e vulnerável a mim mesma, até encontrar a costa e pôr os pés na areia cinzenta, a olhar uma maré plúmbea ( e para lá do mar? haverá outros como nós, numa praia, a querer saber se há mais como eles? ). Onde tudo daria razão ao desepero e à entrega voluntária a uma morte qualquer, achou-se o lugar duma esperança em fino fio frágil. Efectivo, o fino fio frágil de esperança que excede o espaço da história, suspensa dos finais possíveis, todos a assentarem-lhe legitimamente bem. Suspensa ou prolongada, a história para lá do último ponto final, como eu gosto.
E com chuva e o nevoeiro, com luz débil também, mas sem cinza cataclísmica, chego agora à costa das Sirtes. O primeiro capítulo só, que ainda por conhecer-se segue já uma promessa, que ainda prenunciada vai já a revelação de algo imerso ( nos homens, no tempo? ).
E com chuva, acolhidas no tecto baixo, seguem as horas destes dias próximos de um litoral.
Está a palpitar em tudo isto um elo invisível, algures. Não, não é a condição metereológica, nem sequer a proximidade duma costa, disto estou certa.
O elo leve, contudo, murmura com persistência ao meu ouvido. Interior. Peregrino.
Falta-me saber o que é.
Estou certa de nenhuma certeza conseguir achar, o que não é grave, porque não busco certezas.

 

 

Sirtes&Estrada



Fotografia de Torradaemeiadeleite.

 




 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Flanar à roda dos mundos

por Torradaemeiadeleite, em 25.09.14


Fotografia de Torradaemeiadeleite.

 

Flanar é um luxo e é um modo de ser atento, permite-nos assumir os mundos que nas ruas da cidade, por exemplo, se agigantam, colidem e revelam.
Dos pequenos grandes mundos também podemos esperar satélites e luas, os corpos mais discretos, que são tudo menos acessórios porque, se falhassem, muito do que é dos mundos maiores que eles gravitam se alteraria irremediavelmente. Mundos maiores no tamanho porventura, maiores porque nos foram apresentados primeiro mas não necessariamente completos.
Salto entre figuras de estilo para concretizar enfim: em estado flaneur, a força gravitacional duma pequena lua pode desviar-nos o olhar para uma montra e nela para um nome que costuma vestir outras roupagens. De Sylvia Plath não procurava livros infantis mas assim se revelou este pequeno novo mundo que desejei que me pertencesse. A família Nix ilustra bem como o corpo celeste que cada pessoa é difere dos outros mas sempre sujeito ao preconceito e à necessidade de aceitação, energias que desenham órbitas às quais só com dificuldade, mas também com muita convicção e sonho, poderemos escapar. Aponta-o Sylvia Plath, imensamente Sylvia Plath.
As ilustrações, elas próprias, um outro universo a um tempo expressivo, exponenciador e simbiótico, arquitectado por Rotraut Susanne Berner.
Flanar é um luxo porque obriga a ter tempo mas o tempo é o que torna os mundos, o universo, numa visão arrebatadora, irrepetível e vital.

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

De bolso, de carteira, de ser e de estar

por Torradaemeiadeleite, em 04.09.14

 

Fotografia de Torradaemeiadeleite.

 

 

Retenho esta narrativa naturalista de August Strindberg. Agora sim pertence-me porque me apropriei das imagens que as suas palavras criaram roubando-me a atenção e as minhas frágeis noções de poética. Mas para que conste, esta troca de roubos é justa.
Morei nos fiordes suecos durante três meses, o tempo que o livro me acompanhou e a que voltava nas mais insólitas ocasiões porque ele estava onde estivesse a minha carteira. Para não andar desconfortável na rua agasalho-me ou refresco-me com leituras também. Hábitos, palavra de que assumo a dupla significância.
Parar muitas vezes numa história pode ter um efeito contraproducente no prazer e na apreciação da mesma. Mas desta vez não aconteceu isso. Culpemos o autor que soube conduzir o enredo e culpemos a minha memória que a ele se agarrou como o gelo do Inverno cinzelado pelo vento à copa dos abetos atarracados.
Da culpa vou extrair o prazer e é este que deve agora ser rememorado. Fiz parte do dia-a-dia das gentes de Hemsö durante vários ciclos das estações e conheci-lhes as rectas e as curvas. Acrescentei-me do que a vida delapida pouco a pouco - caminhos para andar.

Ainda que a narrativa tenha os pés nos tempos idos, as suas mãos alcançam os rostos de hoje através da condição humana, da replicação dos sonhos e da empatia com outras vozes. E é isso que destaco, ouvir as vozes de outros, conhecer e ouvir as nossas, procurar caminhos que nos aproximam do que nem parece alcançável e não esperar um só final mas descortinar vários.

Consegue-se esse efeito mesmo com livros aparentemente simples ( e só aparentemente ). Esse efeito. Esse efeito chama-se ler, não é? Eu leio quando guardo em mim algo do que foi escrito e que passa a fazer parte da minha visão do mundo e não apenas quando decifro signos justapostos. Tal é válido para qualquer autor e em qualquer género literário. Continua válido para qualquer arte porque ler é decifrar e interpretar, reconhecer, mesmo até adivinhar. E guardar, nutrirmo-nos dessas leituras, crescer ou construir com elas. Mas é fundamental não reter só o que está de acordo com as minhas convenções e os meus ideais, isso seria uma grande batota, uma falsa construção. Se tudo correr bem, não permanecerei igual ao que era nem estagnarei de cada vez que leio. De novo, construo, construo e construo.

Dos culpados acima mencionados extrai-se ainda outro facto, o da reincidência.
Livros na carteira, portanto. Porque ler também acontece quando e onde menos se espera.

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)




subscrever feeds




Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Torradas com bolor

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D